O bebê e seu objeto de transição. Saiba o que é.

  
Minha filha escolheu seu objeto transicional, minha camisola c/cheirinho de afeto e de sua última mamada. Todo bebê segundo a psicologia c/teórico Donald Winnicott (pediatra e psicanalista Inglês) escolhe um objeto de transição entre a realidade externa e seu mundo subjetivo-interno. 
Este objeto é importante p/construção psíquica do bebê, não deve ser imposto, lavado, tirado de suas mãos, isto provoca sérios traumas q refletem na fase infantil, adolescente, adulta… Q geralmente necessitarão de psicólogo p/ajudar nessas marcas da fase bebê. 

O objeto é importante porq quando a mãe, sair do estado de maternagem (qd fica totalmente voltada ao bebê, q é importante essa fase de simbiose mãe-bebê), qd ela sair cria um afastamento entre ela e o bebê, mostra aquilo que não é ele (desiludindo o bebê), possibilita a constituição de uma área intermediária da experiência, a da transicionalidade. 

Nessa área, na qual o bebê começa a constituir sua subjetividade no sentido de perceber-se como si-mesmo,o relacionamento começa a acontecer c/um objeto transicional. P/Winnicott, objeto transicional é a primeira posse não eu. 

No decorrer do desenvolvimento psíquico normal, a adaptação ativa q a mãe propicia, procurando atender às necessidades q variam de acordo c/as diferentes etapas do desenvolvimento,nutre o potencial criativo da criança. O amor e a compreensão proporcionam a identificação da mãe às necessidades do bebê, a ponto de ela fornecer-lhe algo além do alimento,q é a possibilidade de usar criativamente seu potencial p/alucinar o seio provedor. 

No princípio, a criança tem uma ilusão de onipotência, vivenciando o seio como sendo parte do seu próprio corpo. Mas, uma vez alcançada esta onipotência ilusória, a mãe deve idealmente, ir desiludindo a criança, pouco a pouco (respeitando seu ritmo), fazendo c/q o bebê adquira a noção de q o seio é uma “possessão”, no sentido de um objeto, mas q não é ele (“pertence-me, mas não sou eu”). 

A repetição dessa experiência desencadeia a habilidade do bebê de usar o recurso da ilusão, sem a qual é impossível o contato entre a psique e o meio ambiente. Isso permite q o bebê construa, nesse espaço de ilusionamento propiciado pela mãe, um objeto q o console e lhe dê conforto: o objeto transicional. 

Permitam q os bebês escolham seus objetos de transição, aquele lençol velho sujo, o boneco, Ursinho….qualquer objeto q não quer largar, não reprienda, não bata, não brigue, não arraque de suas mãos, não lave, não destrua, não tome posse…reações violentas criam sujeitos violentos; a violência é aprendida.

 Permita q o bebê se expresse pela sua saúde mental e psicomotora; isto é essencial – informação de utilidade pública.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s