DOULA AGORA É LEI NO RJ! Direito da mulher e família.

  

AGORA É OFICIAL! DOULA É LEI !  GOVERNADOR DO RJ ASSINOU !      DOULAS ESTÃO PERMITIDAS A ATUAR EM TODAS AS MATERNIDADES E HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS DO ESTADO DO RJ QUANDO A PARTURIENTE SOLICITAR.

Muito feliz por fazer parte disso, na militância como Doula, cidadã e fazendo parte da equipe de trabalho na diretoria da Associação das Doulas do Rio de Janeiro agradeço ao Governador em Exercício Francisco Dornelles e ao nosso governador Luiz Fernando Pezão, ao deputado Edson Albertassi da liderança do governo, presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e um dos autores da lei. 

Aos deputados autores da lei: Luiz Paulo, Chiquinho da Mangueira, André Lazaroni, Carlos Minc, Jorge Felippe Neto e Rogério Lisboa; ao grande autor da Lei Deputado Dr. José Luiz Nanci, e a todos deputados da Alerj que aprovaram com unanimidade. 

Agradecemos a Defensoria Publica do RJ, ao Nuden.

Agradecimento absoluto a todas as gestantes, doulas, familiares q lutaram conosco em atos, manifestações, liminares judiciais…

  
As Doulas apoiamos emocionalmente as mulheres da gestação até o Pós parto, orientamos sobre todo esse processo de transformação em sua vida e caso tenha, orientamos sobre a vida casal nessa fase, conscientizamos sobre os tipos de parto, seus procedimentos, benefício e riscos para que faça escolhas conscientes. 

Utilizamos métodos não farmacológicos de alívio nas dores além de massagens específicas na hora do parto, existem e ensinamos as posições mais favoráveis, tem um tecido Rebozo que utilizamos essa técnica mexicana para fazer massagem descomprimir a pelve, podendo melhorar o oposicionamento do bebê….Durante o trabalho de parto ajuda muito, além de trabalharmos para diminuir medos, que são maiores inibidores do trabalho de parto, através da informação podemos ajudar. 

Orientamos nos cuidados com bebê e na amamentação.

Na Europa existem muitas, nos países onde possuem humanização do parto que é recomendado pela Organização Mundial de Saúde, aprovam e recomendam nosso trabalho. 

A Lei: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=324914

A sociedade no parto esquece que são mamíferos-Dr.Michel Odent.

  

Pioneiro na revolução obstétrica-Obstetra francês Michel Odent:

“A tecnologia é aliada do homem na Medicina, mas faz com que alguns instintos sejam deixados de lado. Para o obstetra francês Michel Odent, o aparato tecnológico está tornando os partos menos eficazes.

Ele defende a “mamiferização” do parto, que é como chama o conjunto de ações que fazem com que o nascimento respeite as condições inatas da mulher. Quanto mais máquinas, especialistas por perto e iluminação, menor a segurança da mulher no momento em que ela precisa estar tranquila para dar à luz, diz Odent.
O bebê deveria ficar com a mãe assim que nasce e ser amamentado na primeira hora de vida. Sempre lembrando que somos animais, o obstetra fala sobre a fisiologia do parto, sobre os hormônios e substâncias ligadas ao nascimento e ao medo, que podem causar dor.
Entendo o parto humanizado de uma maneira diferente. É preciso redescobrir o nascimento, libertar-se de tudo quanto é crença e ritual milenar ou cultural, eliminando o que é especificamente humano. A começar pela linguagem, que é o método humano de comunicação.
É preciso satisfazer as necessidades universais específicas de mamíferos, como, por exem­­­plo, ter segurança. Na floresta, se uma fêmea está para ter um filhote e percebe que há um predador por perto, vai liberar adrenalina, essencial em uma situação de emergência na necessidade de partir para a luta.
Essa adrenalina vai bloquear o parto, postergar o nascimento. A segurança é uma necessidade básica para qualquer mamífero. Outra necessidade básica é não se sentir observado.
Então, mais do que humanizar o parto, é preciso “ma­­­­miferizar” o nascimento e por isso essa expressão parto hu­­­manizado não tem o mesmo sig­­­­nificado para mim. Humanizar é usar um número grande de ferramentas, é a cesária.”

Fonte: Gazeta do Povo. @gazetadopovo 

http://www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/maternidade/menos-adrenalina-e-mais-ocitocina-no-parto/