Amamentação melhora desempenho cerebral, diz estudo.

Um novo estudo, que acompanhou 180 lactentes pré-termo do nascimento até a idade de sete anos, descobriu que bebês que foram alimentados com mais leite materno durante os primeiros 28 dias de vida tiveram maiores volumes de certas regiões do cérebro a termo equivalente, e tinham melhores QI , desempenho acadêmico, memória de trabalho e função motora. Os resultados foram publicados online no Journal of Pediatrics.
“Os nossos dados suportam as recomendações atuais para o uso de leite materno para alimentar bebês prematuros durante a sua unidade de terapia intensiva neonatal (UTIN) hospitalização. Isto é importante não só para as mães, mas também para hospitais, empregadores e amigos e membros da família, para que eles possam prestar o apoio que é necessário durante este tempo quando as mães estão sob estresse e trabalhando tão duro para produzir leite para seus bebês “, diz Mandy Brown Belfort, MD, um pesquisador e médico no Departamento de recém-nascido Medicina no Hospital Brigham and Women e principal autor .

Os pesquisadores estudaram crianças nascidas antes de 30 semanas de gestação que foram inscritos no infantil vitoriana estudos do cérebro corte 2001-2003. Eles determinaram o número de dias que os bebês receberam leite materno como mais do que 50 por cento dos da sua ingestão nutricional do nascimento aos 28 dias de vida. Além disso, os investigadores examinaram os dados relativos aos volumes regionais cerebrais medidas por ressonância magnética (MRI) na idade equivalente termo de cada bebê e aos sete anos de idade, e também olhou para parte cognitiva (QI, leitura, matemática, atenção, memória de trabalho, a linguagem, visual percepção) e testes motor em sete anos de idade.
Os resultados mostram que, atravessando todos os bebês, crianças que receberam leite predominantemente de mama em mais dias durante a sua hospitalização NICU teve maior volume de profunda nuclear massa cinzenta, uma área importante para o processamento e transmissão de sinais neurais para outras partes do cérebro, na idade equivalente prazo e por sete anos, tiveram melhor desempenho no QI, matemática, testes de memória de trabalho e função motora. No geral, a ingestão de mais leite humano está correlacionado com melhores resultados, inclusive maiores volumes cerebrais regionais no equivalente prazo e melhores resultados cognitivos aos 7 anos.
“Muitas mães de bebês prematuros têm dificuldade em fornecer leite materno para seus bebês, e precisamos trabalhar duro para garantir que essas mães têm os melhores sistemas possíveis de apoio no local para maximizar a sua capacidade de satisfazer as suas próprias metas de alimentação. Também é importante notar que há muitos fatores que influenciam o desenvolvimento de um bebê, com o leite materno ser apenas um “, diz Belfort.
Os pesquisadores observam algumas limitações no estudo, incluindo a que foi observacional. Embora ajustados para fatores tais como diferenças na escolaridade materna, alguns dos efeitos poderiam ser explicados por outros fatores que não foram medidos, tais como um maior envolvimento materno em outros aspectos de cuidados com o bebê.
Belfort acrescenta que estudos futuros, utilizando outras técnicas de ressonância magnética poderiam fornecer mais informações sobre as formas específicas em que a ingestão de leite humano podem influenciar a estrutura e função do cérebro. O trabalho futuro também é necessário para desvendar o papel da amamentação de outros tipos de cuidados maternos e carinho sobre o desenvolvimento do cérebro do bebê prematuro e não prematuro.

Novo canal You Tube sobre Gestação ao Pós Parto.

O site agora tem voz, estaremos mais próximos no novo canal do You Tube sobre assuntos da gestação ao pós parto.

Confira o novo vídeo que fala sobre Parto Natural e minha experiência sobre o assunto:

Quer uma gestação e parto saldáveis ? Sou Doula. Posso te ajudar. 

  

Fui tentante, gestante e agora sou Doula – RJ; graduanda e pós-graduanda em psicologia.
Como doula procuro identificar com a gestante as suas crenças e medos em relação ao parto, possibilitando em conjunto diminuir estressores e o medo do desconhecido da gestação ao pós-parto que são os grandes responsaveis pela inibição ou não do trabalho de parto e de outras complicações. 

Descomplicando o emocional para a gestação saudavel e parto conscientes, propicia facilitar o organismo a exercer seu funcionamento sem intervenções e problemas. 

Informar, conscientizar a gestante e familiares para que você possa construir da maneira que você quer a historia do nascimento do seu bebê.  

Como doula presto apoio emocional e utilizo métodos não farmacológicos para alivio das dores (tenho bola, rebozo, essências e óleos a escolher a fragrância que mais agrada – as essências possuem poder fitoterápico). Procuro ser uma facilitadora no momento mais importante da sua vida e família. 

A Doula serve a mulher. Servir para sua felicidade, para o seu sonho, você merece sonhar e ninguém deve roubar seus sonhos, seus desejos. Criar expectativas demais pode ser ruim, mas alguém tirar de você o que pode ser construído é pior ainda. 
Vc é capaz! O corpo é seu! O parto é seu! 

Posso ser sua Doula!  

Minha função é instruir a gestante e seus envolvidos de forma mais completa possível.
**sou uma Doula que pariu de forma natural – parto fisiológico em casa (parto domiciliar assistido), sem intervenções, sem toques de dilatação, sem nada desnecessário, parir é uma necessidade fisiológica do corpo feminino, parir é natural. 

Mudei de ideia de parto hospitalar para parto domiciliar com 33 semanas de gestação foi a melhor decisão da minha vida. Tenho experiência, sei como é parir de forma natural e possuo conhecimentos que ajudam no atendimento a mulher e a família envolvidos no nascimento.
Contato: quiteriachagasdoula@gmail.com

A FARSA DAS VACINAS – VACCINE FAILURE – FARCE; por Dra. Suzanne Humphries.

Vaccine Failure – Farce.
Por, Dra. Suzanne Humphries: 

Quem é Dra.Suzanne Humphries: http://drsuzanne.net/wp-content/uploads/2011/11/CV-11.5.21031.pdf
“Depois de minhas experiências no sistema hospitalar e examinando cuidadosamente ambos os lados do debate sobre a vacinação.

A história da vacinação é mais complicada do que a maioria das pessoas acreditam conhecer, inclusive médicos; poucos sabem a fundo a história das vacinas e a “possível ideia de imunização”. 

O movimento anti-vacina existe a centenas de anos. Iniciou em 1800, quando o Reino Unido farto de assistir os seus bebés e crianças saudáveis ​​ficarem doente ou morrer logo após as vacinações contra a varíola ou ficar doente de varíola de qualquer maneira, mesmo após serem vacinados. Pais e médicos que se recusaram vacinar contra a varíola, arriscaram perder suas casas, seus bens e os seus meios de subsistência, se Juízes soubessem disso.
As vacinas contra a varíola foram feitas a partir de pus e raspadas de feridas da barriga das vacas doentes contaminadas com a matéria da doença, e de uma variedade de animais, em alguns casos, os seres humanos. A história da vacina contra a varíola não é provavelmente o que você pensa que é.
Médicos e a indústrias das vacinas, os que administram, deveriam obter “consentimento informado” das pessoas antes de vacinarem. O consentimento informado não é possível, porque aos pais não são dadas todas as informações que eles necessitam para compreender as questões mais importantes sobre as vacinas.
O meu lugar não é dizer se devem vacinar ou não. Eu nunca diria às pessoas para não vacinar.

É meu dever como médica compreender tudo sobre as vacinas e dar às pessoas uma compreensão mais completa, para fazerem suas escolhas. Esta não foi a posição dos serviços públicos de saúde. De fato, há uma ampla documentação que a prioridade era completamente o oposto, é obrigar, e impor realmente para acabar com “eventuais dúvidas, se bem fundamentada ou não” sobre vacinas.

O documento a seguir é o americano 1984 DHHS registo federal, que listou as regras finais relativas às campanhas de vacinação contra a pólio nos EUA após três décadas de controvérsias.

  

A obrigatoriedade de vacinação em alguns países coloca muitas vidas em risco, e muitos problemas orgânicos de curto, médio e longo prazo com a vacinação foram e são ignorados pelos formuladores de políticas de vacinas.


Há muitos problemas com a ciência que sustenta informações sobre as vacina. Tento, mas é difícil encontrar um pediatra que compreenda ambos os lados do debate o suficiente para dar informações completas que possam garantir consentimento plenamente informado aos pais. 

A imunidade infantil tem sido mal interpretado por imunologistas, como a literatura imunológica admite. Só recentemente é que algumas questões importantes foram respondidas sobre o porquê de o sistemas imunológico infantil não funciona como dos adultos. 


Há uma boa razão para a intolerância que crianças possuem em relação a substâncias como o alumínio que contém em altas taxas nas vacinas. Que agora é conhecido por ter consequências a longo prazo em sua saúde.


Há uma escassez de estudos comparando as crianças nunca vacinadas, com as crianças parcialmente ou totalmente vacinadas. Em termos de estudos de segurança, um grande problema é que a maioria dos estudos de vacinas utilizam outra vacina como o placebo controle, ou utilizam a substância da vacina fundo. 

Existe apenas um estudo recente (Cowling 2012 – Veja artigo científico: http://m.cid.oxfordjournals.org/content/early/2012/03/13/cid.cis307 ), onde um verdadeiro placebo foi usado, em vez de outra vacina ou o fluido transportador. O principal estudo não mostrou diferença em infecção viral influenza entre os grupos, mas surpreendentemente revelou a 5 -6 vezes maior taxa de infecções virais em vacinados. Não é de admirar mais verdadeiros placebos não são usados ​​nas pesquisas de vacinas.

Neste artigo, “Neonatal, resultados após a imunização contra a gripe durante a gravidez: um estudo controlado randomizado” – http://www.vaccinationcouncil.org/2012/02/29/3013/ , vemos um exemplo claro de como placebos falsos são usados ​​regularmente. 

Quero dizer que, dando vacinas não testadas que muitas vezes podem ser inadvertidamente contaminadas, e com a vacinação não provando-eficácia é um “experimento médico que fazem em humanos ao aplicar estas vacinas, sem as pessoas saberem disso e sem o consentimento delas”, e na minha opinião, viola os princípios fundamentais do Código de Nuremberg (informação e consentimento inequívoco). 

A maioria das vacinas não foram submetidos a testes de carcinogenicidade por exemplo, e também raramente são estudados em mulheres grávidas (geralmente os testes são realizados em pessoas com pouca ou sem informação de seus riscos, baixa escolaridade e em países subdesenvolvidos). Resultando que pessoas tomam vacinas, quer por uma “emergência” proclamado pelo governo; por uma ordem de “saúde pública” da OMS; ou por ameaça de perda de direitos sobre os filhos, ou de proibi-los a estudar caso não estejam vacinados ou de prisão em alguns países; ou por ameaça de ser abandonado pelos profissionais médicos que supostamente prestam cuidados de saúde; e estas pessoas não são informadas de tudo isso, nem dos graves riscos que correm, que podem não ser visíveis imediatamente, mas podem surgir ao longo de sua vida.

“Consentimento informado” é desprovido de qualquer sentido quando as pessoas são levados a tomar vacinas, induzidas ao erro, assustando-as “sem possuírem informação o suficiente”.

Os pais devem aprender as maneiras de cuidar de seus filhos quando eles obtem as doenças comuns da infância, querendo vacinar ou não, uma vez que as crianças vacinadas ainda podem obter as doenças que foram vacinados. No caso de crianças não vacinadas que experimentam doenças da infância, um profissional eficaz e bem informado de saúde na maioria das vezes permite que as crianças se recuperem naturalmente, e na maioria dos casos, a criança terá imunidade a longo prazo muito maior do que as vacinas e sem riscos de reações adversas de suas químicas em seus organismos.

Algumas políticas de vacinas têm roubado de crianças, adolescentes e adultos da oportunidade de se re-expostos as doenças e continuar com a imunidade natural. Por exemplo, em mães que foram vacinadas contra o sarampo, a transferência placentária de anticorpos se limita a poucos meses, em vez de mais de um ano em mães mais naturalmente imunes.


Os exemplos acima, são uma das muitas consequências potenciais que enfrentamos com um resultado de vacinação para o sarampo e as outras doenças da infância como rubéola.

As escolas de medicina não educam sobre o conteúdo, os perigos, a eficácia ou necessidade de vacinas. A maioria dos médicos estão com medo das doenças naturais da infância que faz parte do organismo, pois eles não têm qualquer idéia de como ajudar com segurança a seus pacientes através de seus próprios organismos; e as opções de tratamento medicamentoso convencional são limitados, que todos médicos como eu, aprendemos nos estudos da medicina, muitas vezes tornam as doenças piores do que são.


No entanto, surpreendentemente, descobri outros métodos que funcionam muito bem, mas nunca foram apresentados como parte da minha educação médica.

No artigo “O segredo do sistema imunológico” ( http://sm.stanford.edu/archive/stanmed/2011summer/article7.html ) enuncia claramente as limitações da imunologia. O público é repetidamente mal informado, aterrorizados, assustados, a fim de manter a participação deles na vacinação. Todos os tipos de táticas são usadas. Um dos mais populares, é dizer que todos devem se vacinar, a fim de proteger doenças e de não vacinados. Isto é comumente conhecido como “imunidade de rebanho.” Aqui está um artigo que escrevi sobre o assunto ( http://www.vaccinationcouncil.org/2012/07/05/herd-immunity-the-flawed-science-and-failures-of-mass-vaccination-suzanne-humphries-md-3/ ).

Os médicos repetem o conselho, “Nós temos que vaciná-los enquanto eles são jovens de modo que o” índice de contrair doenças é alta. Em um artigo para o qual fui entrevistada em que um dos supostos especialistas de topo do Maine está dando conselhos enganosos . No artigo intitulado “Bangor Metro:” A Shot to the Heart ” ( http://drsuzanne.net/wp-content/uploads/2011/11/A-Shot-to-the-Heart-Bangor-Metro.pdf ), ele diz::

“Preocupo-me sobre o quanto o sistema imunológico de uma criança pode lidar porque alguns pais não o vacinaram. Mas Fanburg ressalta que não há dados médicos para apoiar a prática da vacinação; acrescentando que ele é realmente mais precavido a vacinar as crianças, ao invés de esperar até que eles sejam mais velhos. “As crianças têm uma melhor proteção de vacinas em seus primeiros dois anos de vida”, diz ele. “Há uma maior taxa de imunogenicidade, que é a capacidade da criança para produzir anticorpos contra o antígeno da vacina.”

Este especialista em vacinas parece não ter compreensão de como o sistema imunológico de uma criança se desenvolve e por quê. Se ele compreende-se, faria uma pausa por algum tempo, antes de fazer uma declaração tão dogmática.

O sistema imunitário de um bebé produz apenas quantidades muito pequenas de IL-1B e TNF-alfa. Houve um tempo em que os especialistas pensavam que este era simplesmente um defeito em todos os seres humanos recém-nascidos. Em 2004, um estudo realizado por Chelvarajan sugeriu que, se ao fabricarem as vacinas adicionassem vários “kickers”do sistema imunológico em vacinas, isso resolveria o problema e corregiria o sistema imunológico dessas crianças perfeitamente normais, que são muitas vezes descritas em termos de “defeituosos”, ou “inadequados” , quando eles são completamente adequados à idade, com características compartilhadas por todos os mamíferos terrestres.

As vacinas de subunidades como HepB, Strep Pneumo, Hib e meningocócica têm “adjuvantes” potentes – como o alumínio. Sem eles, o sistema imunológico do bebê não faz nada. Um adjuvante cria uma situação de alerta vermelho, forçando com que o sistema imune inato da criança passe a responder da maneira oposta à forma como deveria, e foi programado a funcionar no primeiro ano de vida. imunologistas Pro-vacinais não veem nada de errado com isso; porém isto desequilibra e provoca sérios danos ao organismo.


No entanto, até 2007, de 2007, Chelvarajan ( http://beyondconformity01.basecontrol.co.nz/_literature_86198/Neonatal_Immunity_Chelvarajan_0 ) estava vendo as coisas de forma diferente, e afirmou no último parágrafo, que, enquanto no passado, tinham considerou este um “defeito”, que agora considera-se: um programa de desenvolvimento importante, quando disse:

“Este fenótipo anti-inflamatório pode ser benéfico para o recém-nascido em um momento em que o crescimento dos tecidos e modelação do organismo estão ocorrendo em um ritmo rápido … assim, a incapacidade de o recém-nascido parar de responder de forma natural à infecções e sim por componentes artificiais das vacinas, pode ser um risco ao organismo.

A fim de ajustar de forma apropriada para o mundo, um “fenótipo anti-inflamatório” é importante para uma criança. O leite materno atua como um sistema imune inato insubstituível em suas propriedades, que protege o bebe de toxinas e outras doenças, através do fornecimento de substâncias anti-inflamatórias no leite juntamente com outras partículas imunes que impedem as bactérias e os vírus de aderirem, ou mata os imediatamente .


Isso protege o bebê, agindo como “in loco” de defesa, enquanto o sistema imunológico infantil está se desenvolvendo para saber auto se proteger. Este mesmo padrão de desenvolvimento é visto em laboratórios onde estudam mamíferos não-humanos, e é igual em todos mamíferos, mostram que o fenótipo anti-inflamatório é crucial para a sobrevivência e sucesso tanto a curto como a longo prazo.

Um artigo mais recente de Elahi em 2013 ( http://www.ncbi.nlm.nih.gov/m/pubmed/24196717/ ), mostrou que as células imunes infantis têm capacidade funcional completa, mas são apertados para baixo, decaem, para um propósito mais elevado ao mesmo tempo para aprender o que é auto imunizar, o que é um comensal saudável micro-organismo, e que deve depois ser atacado.

Durante este período de “aperto”, que é de aproximadamente 2 anos (extrapolados de estudos em animais), a criança é bem compensada por leite materno, que continua o processo e mata organismos indesejáveis. 


O que, então, poderia ser o efeito das vacinas, que interferem com o estado de repouso do plano mestre do sistema imunológico da criança, acrescentando grandes quantidades de alumínio no organismo?

Com o apoio do leite materno, o sistema imunológico da criança desenvolve de forma adequada e sistematicamente – em seu devido tempo, de acordo com o programa genético colocado no bebê a partir do dia em que a criança foi concebida. Qual é esse plano mestre? Para permitir que a criança faça a transição em segurança para a independência imunológica com o nível mínimo de inflamação possível. Seu sistema pode ser prejudicada? Sim pode. O que pode inviabilizar o sistema imunológico neonatal? Tudo o que desencadeia uma resposta inflamatória na matriz enquanto a mulher está grávida e no bebê pelo uso de uma vacina.


Ironicamente, a pesquisa médica é muito clara sobre uma coisa. Não é a “infecção” em si que causa o problema, doença. É a ativação do sistema imunológico. Como eles sabem que não é apenas a infecção? Porque o stress, toxinas e outros antigénios não-infecciosos podem desencadear a cascata do sistema imunitário, de forma muito semelhante à infecção.

Se é importante para o bom desenvolvimento de um bebê permitir ao risco de infecção; se não permitirmos que duas peças-chave da defesa orgânica e infecção primária ocorram, quais são os males ao organismo se forçarmos um sistema imunológico como fazem as vacinas, para que o sistema imunológico faça algo que não deveria fazer? Uma vacina por definição, causa repetidamente nas células inflamação crônica em intervalos de tempo determinados. As vacinas são projetadas para criar a inflamação periférica, e adjuvantes de vacinas e antígenos podem causar inflamação cerebral, criar alergias e auto-imunidade – resultando em inflamação constante em todo o organismo. Para algumas crianças vacinas também podem provocar que a mitocôndria pare de funcionar corretamente.

Você pode estar pensando agora… se a posição padrão de um bebê é para não responder a doenças bacterianas mediada por toxina, que chance tem um bebê de sobreviver neste mundo? Se você gostaria de aprender mais sobre a imunidade neonatal, leia esta série de posts em 3 partes, e tomar nota dos artigos médicos usados:

O desenvolvimento do sistema imunológico infantil, neste artigo: (http://www.beyondconformity.org.nz/BlogRetrieve.aspx?PostID=72027&A=SearchResult&SearchID=2547944&ObjectID=72027&ObjectType=55 )


Os médicos a favor das vacinas as vezes citam “a literatura revisada por pares” para supostamente provar seu ponto, mas um olhar mais atento a sua própria literatura, muitas vezes prova o contrário – como faz um olhar mais atento a população doente de crianças que foram vacinadas.
Além disso, um olhar mais atento sobre os livros de texto médicos revelam uma tendência muito interessante. Na década de 1920 e 30, os médicos muitas vezes eram bastante descontraídos sobre doenças que hoje são apresentados como mais mortal do que a peste. Muitos avós de hoje são completamente confusos com a forma como a profissão médica descreve infecções que eram para a maioria deles, feriados simples fora da escola.

Isso não é afirmar que nunca houve consequências graves; por vezes ocorriam. No entanto, hoje, a maioria dos pais acreditam erroneamente que todas as crianças morrem de doenças que a maioria das avós aprenderam que é apenas reação orgânica e que provoca incômodos passageiros.
O sistema médico considera agora o sarampo mais perigoso do que a praga, e a doença mais perigosa para o homem. No entanto, não há necessidade de ter medo do sarampo, porque as crianças bem nutridas que recebem quantidade adequada de vitamina A tem um curso banal para a recuperação. O Tédio pode ser o seu maior lamento.

Eu descobri que a coqueluche não é algo para ter medo de qualquer um. Nos dias em que a minha única ferramenta foi um antibiótico, a tosse convulsa, ocasionalmente, me causou grande preocupação, mas não hoje. Eu assisti a muitos pais em todo o mundo tratar a tosse convulsa simplesmente usando altas doses de vitamina C e, ocasionalmente, homeopatia. Eles vêem uma melhora rápida e sem complicações graves. Mas você não vai ler sobre esses casos na “literatura revisada por pares” e seu médico não sabe sobre eles, porque as crianças doentes são os únicos contados nas estatísticas de morbidade, crianças saudáveis ​​que se recuperam, não são vistos pelo sistema médico e, portanto, não são contados e nem pesquisados.

As graves consequências da maioria das doenças da infância vem de apenas algumas coisas; fórmula infantil, leite de vaca, medicamentos comuns, especialmente os antibióticos, desnutrição e vacinas, e uma falta de conhecimento sobre métodos simples de cura.

Todas estas barreiras à recuperação são completamente evitáveis ​​nos EUA e muitos outros países e é por isso que vemos tantas crianças saudáveis ​​que nunca foram vacinadas, quando dedicamos o tempo para observá-los.

Veja no gráfico como a mortalidade para as doenças comuns tinha diminuído significativamente muito antes de as vacinas serem criadas. Este é alguns dos equívocos mais comuns sobre não vacinar, as pessoas ainda acreditam que as vacinas isentam de doenças e que elas acabaram com as doença; isto não existe, veja: 

  

Mas você está colocando outras pessoas em risco se elas não vacinarem. Em risco para quê? Catapora? Pergunte ao seu avó se ele conhece alguém que morreu de sarampo. Doenças diferentes têm diferentes graus de gravidade em diferentes faixas etárias. 

O equívoco de que “se você não vacinar, você coloca outros em risco” é baseado no pressuposto de que as pessoas não vacinadas contraem a doença que você foi vacinado. 

Você sabia que um estudo controlado publicado no BMJ ( http://www.bmj.com/content/333/7560/174.full ) em crianças em idade escolar mostrou que de toda a tosse convulsa, que foi diagnosticada, mais de 86% das crianças foram totalmente vacinadas, e mesmo após a vacina em validade, tiveram a tosse convulsa. 

Há estudos semelhantes que mostram que a caxumba e sarampo, podem muitas vezes afetar as pessoas vacinadas. As pessoas que são vacinadas podem ter os seus sistemas imunitários alterados de uma forma que leva a susceptibilidade a outras doenças infecciosas, e também pode deixá-los vulneráveis ​​as doenças que foram vacinados; devido a um fenômeno chamado de “pecado antigênico original”


O que é “pecado antigênico original”? Isto é um programação antigénio da vacina que quando introduzido no corpo, o faz reagir de uma forma que é incompleto, e diferente para a resposta natural à infecção. Quando o vacinado adquire a doença na qual foi vacinado, o organismo é incapazes de montar uma resposta eficaz ao patógeno. A vacina da tosse convulsa é um exemplo disso.

Um estudo ( http://m.pnas.org/content/111/2/787.abstract ) muito digno de nota, foi publicado em 2013, olhando para os babuínos, que são suscetíveis e manifesta a tosse convulsa como os humanos. No estudo de Warfel, babuínos, ou que foram vacinados ou não vacinados foram depois expostos a bactérias da tosse convulsa, algo que não pode ser feito experimentalmente em humanos (devido a considerações éticas), mas que produz dados muito importantes. Os babuínos que nunca haviam sido infectados, possuíram a tosse e permaneceram colonizados com bactérias por um período máximo de 38 dias. Babuínos que foram previamente vacinados, a vacina imunológica, tornou-se colonizado por exposição com reações por mais tempo do que os babuínos não vacinados; 42 dias. Babuínos no entanto não vacinados que se recuperaram naturalmente e foram posteriormente expostos às bactérias não adoeceram, estavam imunes de forma natural.

Então, quem está fornecendo uma melhor imunidade de rebanho em face da exposição bacteriana? indivíduos vacinados que presumo que eles são imunes, ainda permanecem assintomáticos colonizados por 42 dias com propagação de bactérias? crianças não vacinadas que se infectam e permanecem colonizado por 38 dias? Ou o naturalmente convalescentes que não são capazes de ser colonizados e, portanto, não se espalham as bactérias na re-exposição a doenças? Melhor ainda: Contrair doenças de forma natural sem ser vacinado faz com que durante décadas mais longa será sua imunização do que com a vacinação.

Muitos entusiastas de vacinas gostariam de invocar o termo “imunidade de rebanho” para fazer o argumento de que os não-vacinados representam um risco para os vacinados.
Não há evidência alguma de que ter uma taxa de vacinação de 85% ou 95% protege contra surtos. Esta teoria foi refutada uma e outra vez em populações altamente vacinadas.

A propagação da doença a não-vacinados. Na verdade, é o oposto. As vacinas vivas são conhecidas por espalhar. Aqui está um exemplo recente neste artigo, “As vacinas vivas podem espalhar a doença” ( http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0264410X11015428 ):


As vacinas vivas podem espalhar a doença.

Sabemos também que em pertussis (tosse convulsa) aqueles que são vacinados são mais prováveis, devido ao pecado antigênico original, a ser portadores da bactéria por mais tempo do que os não-vacinados, mesmo quando assintomáticos. 

Em seu artigo publicado em Doenças Infecciosas Clínicas em 2004, Artigo em texto completo disponível aqui ( http://m.cid.oxfordjournals.org/content/38/4/502.long ), Dr. James Cherry, apontou que os adultos, re-vacinados contra a coqueluche, não desenvolvem qualquer actividade antibacteriana qualquer. Porquê as vacinas actuais contêm alguns antigénios, que criam “antigénico pecado original”, pelo que a resposta imunológica à vacina; é anormal. Essa resposta na primeira dose torna-se então a posição padrão do sistema imune em futuras doses de reforço. Assim, no caso das vacinas de tosse convulsa existem importantes fatores de virulência proteína que não tenham sido incluídos nas vacinas, incluindo ACT, TCF, TCT, bem como BRKA e DNT.

Porque os três primeiros não estão incluídos, por isso a resposta imune padrão não impede a colonização, e, além disso, Cherry, afirmou que o “pecado antigênico originais” resulta que pessoas vacinadas são incapazes de limpar as bactérias de seus pulmões. Os não-vacinados têm imunidade a todos os fatores de virulência linha de frente e muito rapidamente limpam as bactérias na re-exposição.
As mães que foram vacinadas, podem desenvolver marcadores substitutos que podem ser medidos em laboratório, mas estes não garantem respostas imunitárias eficientes após a exposição à doença natural, porque a sua primeira “resposta aprendida” estava incorreta. Além disso, eles ainda não possuem certeza “que” o marcador substituto, na verdade, é para pertussis.

Há informações semelhantes sobre o sarampo, a outra doença que tem sido retratado pela mídia como um perigo para a população devido às crianças não-vacinadas. Mas esta informação não é precisa, nem é o sarampo uma doença perigosa em pessoas que têm suficiente vitamina A. 

Damien em seu estudo, apontou que vacinados são 5-8 vezes mais suscetíveis à infecção assintomática do que os não-vacinados. (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/m/pubmed/9700638/ ). 

Como, então, são os não-vacinados único responsável pelos recentes surtos de sarampo?

Muitas vacinas estão a ser dito “atenuadas” ou modificado vivo e, supostamente, não infectam, mas ao longo das décadas, vimos como os vírus atenuados mutam, uma vez que eles estão em um ser humano e podem espalhar a doença mais virulentamente. As vacinas contra a poliomielite oral na Nigéria hoje são um caso em questão. Mas isso pode acontecer com qualquer vacina viral atenuada.

Não é raro ver uma criança recentemente vacinada para varicela desenvolver a varicela. Vemos isso com bastante frequência. Infelizmente, os médicos não sabem quase nada sobre as vacinas, reações e complicadores.


Aqui estão algumas coisas a considerar quando você ouve de um surto de uma doença infecciosa: “Como muitos dos afetados foram totalmente vacinados e quantas pessoas morreram ou foram hospitalizados? Foram os casos verificados com testes de laboratório ou são os relatórios com base em relatórios médicos de comunidade? ”
Outra questão a ter em mente é, “foram as pessoas hospitalizadas por causa da doença era realmente sério, ou porque a família não sabia como lidar com ele, e recorreu ao médico para certificar a gravidade da doença ou se poderia matar? “Em outras palavras”, foi a ida ao hospital realmente necessário, ou só para tirar dúvidas? ”
Mortes por estas doenças terríveis que uma vez atormentaram a humanidade voltarão aos níveis pré-vacina, se manterem as vacinações. Podemos ver no gráfico exposto aqui a mortalidade destas doenças foi drasticamente em declínio antes da vacinação. Mas, além disso, você pode querer saber a explicação mais racional para o declínio doença mortal nos tempos modernos. Não é a vacinação. Tem sido demonstrado neste artigohttp://deepblue.lib.umich.edu/bitstream/handle/2027.42/55441/Aiello%20A,%20What%20is%20the%20evidence%20for%20a%20causal%20link%20between%20hygien%20and%20infections,%202002.pdf;jsessionid=96235DB59AD13DD39E3C91FF198A7AB2?sequence=1 ) Que foi a higiene nas sociedades: “Qual é a evidência de uma relação causal entre higiene e infecções” os autores oferecem a evidência epidemiológica entre as práticas de higiene e infecções.
Qual é a evidência de uma relação causal entre higiene e infecções?

Aqui tem outra coisa que você pode não ter sido informado:

Toda a redução ainda para a tuberculose, foi alcançada antes de qualquer vacina e na maioria das reduções para todas as doenças foram atingidas antes que os antibióticos tornassem comercialmente disponíveis em 1950. Então, o que fez isso? Não foram as vacinas. No entanto, todos os países que utilizaram a BCG como “proteção” Front Line, viu um declínio idêntico ao que se viu nos EUA usando nenhuma vacina contra a tuberculose.

Se você comparar os gráficos para o declínio morte em difteria e escarlatina, eles são quase idênticos. No entanto, nunca houve uma vacina amplamente utilizada para a escarlatina. A escarlatina e sua complicação resultante, febre reumática – claramente tem sido demonstrado na literatura médica, para ser conduzido nutricionalmente. É por isso que se você encontrar alguém que diz que teve escarlatina, é principalmente em países com fome, pobreza, em guerra e muito empobrecidos. Em países desenvolvidos, onde a febre reumática é um problema, ele é visto principalmente nos grupos de menor escolaridade, cujo entendimento nutricional é limitado, ou o seu acesso a boa alimentação é limitado.

As pessoas ainda sub-educadas em ambientes sociais estáveis, sem muito dinheiro, que entendem e seguem caminhos nutricionais eficazes, estarão na escala de baixa susceptibilidade porque realmente é a nutrição e bem-estar, que contam. Acontece que a baixa escolaridade, pobreza são os maiores complicadores.
A razão é um problema significativo nos grupos menos escolarizados, menos nutridos, onde a pobreza é galopante, porque a nutrição pobre que é historicamente correlacionada com a febre reumática superior.
Historicamente, no caso de doenças infecciosas, uma boa nutrição tem sido e ainda é, um dos principais fatores de prevenção, que levou a enormes quedas de morbidade e mortalidade por doenças mais infecciosas.
Por: Dra.Suzanne Humphries

Fonte: http://drsuzanne.net/dr-suzanne-humphries-vaccines-vaccination/ 

Revista científica fala sobre Zika e Microcefalia.

  
 Imagino a situação desesperadora das gestantes e familiares; poderia ter acontecido comigo ou com qualquer pessoa, porque somente após a exposição dos casos de microcefalia podemos obter os dados de que iniciou o aumento dos microcefálicos no período de 2014 e 2015, justamente quando estava gestando até parir minha filha em maio de 2015. 
Neste período iniciaram os casos, mas até então não obtínhamos divulgação; garanto que se tivessem divulgado no período da minha gestação estaria na mesma situação alarmante que as gestantes se encontram agora. A diferença é que não obtive esta pressão que estão fazendo, porém todas pessoas que gestaram nestes períodos obtiveram os mesmos riscos e muitos bebês nasceram saldáveis ….e outros continuam nascendo sem sequelas e talvez a gestante até possui o vírus da Zika se realmente este for o causador, ou possui em seu organismo algum componente químico que pode desencadear a causa da má formação em bebês em conjunto com a Zika ou não, mas por algum motivo que desconhecemos, talvez orgânicos, nada aconteceu com o bebê e nem com a mãe, já que existem portadores da Zika que podem não apresentar sintomas. 

Apesar dos alertas, muitas hipóteses e estudos sendo divulgados; porém tudo ainda é recente, não existe nada completamente definido, existem muitos estudos a serem feitos. O clima, os alertas e as pressões são desesperadores, porém deve-se lembrar que existem muitas coisas além das notícias que ainda estão sendo apuradas e analisadas; na ciência um estudo nunca é a verdade absoluta, porque a qualquer momento um novo estudo pode refutá-lo, confrontá-lo e este perder sua validade. 

Apesar das circunstâncias pensem que desde o período inicial dos casos de microcefalia e até agora muitos bebês que continuam nascendo saldáveis; antes de tomarem qualquer decisão pensem em não fazer de forma precipitada, porque existem decisões que são definitivas e não se pode voltar a trás, e pode-se cometer injustiças, ou carregar um peso, dor, sofrimento e sentimento de culpa sem ter definição de nada. 

Não carreguem a culpa pra si mesmos. Não sabemos quem são os culpados, e se existem, ou se ocorreram erros…

Aconselho a gestantes e familiares que façam neste período conturbado um pré-natal não somente fisiológico; mas Pré-natal psicológico, de preferência com psicologo perinatal que é especialista em gestantes e familiares. Quem não possui condições financeiras, procure qualquer universidade que possua curso de psicologia, todas possuem clínica social aberta ao público interessado em terapia, porque os alunos precisam estagiar para obter a formação e as instituições abrem clínica social para ajudar a população. Vale muito a pena e ajudará a todos que estão passando por este período conturbado. 

Toda gestante deveria ter acompanhamento psicológico é fundamental; é um erro não existir acompanhamento psicológico desde o pré-natal. Porque a gestação, parto e Pós parto são etapas com muitas transformações psicofisiológicas; e o psicológico é o grande responsável por acionar dispositivos orgânicos que possam desencadear uma gestação mais tranquila, bem sucedida.

Esperamos e quero acreditar que todas as hipóteses por mais loucas que sejam estejam sendo pesquisadas, com grupos controle de grandes proporções de gestantes destes períodos que tiveram Zika, as que não tiveram, as que ingeriram algum tipo de medicamento, as que se vacinaram, as que não vacinaram, se as vacinas eram as que divulgaram estarem vencidas se eram públicas ou privadas, seus tipos de partos….em fim, acredito que estejam fazendo todo trabalho de levantamento para obterem resultado preciso.

Este foi um período muito esquisito com muitas questões estranhas, nebulosas na área da saúde, vacinas vencidas, vacinas que não são mais encontradas nos postos, crise, pesquisadores cobrando e necessitando de incentivo em suas pesquisas que dependem de investimento público e ou privado para realizarem mesmo antes da Zika seus trabalhos de pesquisas…., o público, como eu, sempre se questionando sem respostas e nem sabemos se teremos todas.

Única certeza que temos é que todas as sociedades devem seriamente repensar sobre destruição ambiental – nossa autodestruição – que está desequilibrando nosso sistema, afetando nossa saúde, ocorrendo tanto desequilíbrio em todos os sentidos e nos afeta diretamente e as gerações futuras. 

No Brasil os agrotóxicos proibidos em diversos países são aplicados na nossa agricultura interfere no ecossistema e no nosso organismo, e comprovadamente interferem nas gestações ocorrendo interações genéticas que somos incapazes de deduzir se fetos terão ou não sequelas (é brincar de cientista com o próprio organismo, que fazemos diariamente desde os excessos de medicamentos, suplementos vitaminicos….bombardeamos nosso organismo de químicas, desequilibrando-o, em algum momento ele responderá). Nos alimentamos de veneno todos os dias com cara de comida saldavel escondido nas saladas, frutas…e as doenças crônicas entre outras só aumentam em nosso país que utiliza como referência nosso vizinho americano que adoece mais do que nós, são os mais vitaminados, vacinados do mundo e os mais doentes também. 

Todos nós sabemos dos riscos de adtivos químicos, de produtos transgênicos, agrotóxicos…na nossa vida, porém são perigos silenciosos que por não vermos os efeitos imediatos não nos importamos, nossa sociedade permite, aceita facilmente o produto novo estrangeiro, não questiona, compra e se faz de cobaia todos os dias. 

Dessa maneira autodestrutiva e permissiva de ser, vivemos como cobaias de um laboratório ambulante, onde ainda pagamos para nos fazerem experimentos. Assim abastecemos e enriquecemos indústrias e o mundo desenvolvido; porém os países de alta renda per capita, do eixo desenvolvido dificilmente permite ser cobai de substâncias químicas, nem de transgênicos….eles ate criam e fabricam os produtos; mas por “coincidência” essas coisas são somente experimentadas em países subdesenvolvidos, América do Sul, África….

A pouco tempo o pânico mundial era o Ebola, agora a febre é o Zika, a natureza se rebela e vítimas se prejudicam, e as pessoas viram a página, até surgir outro fenômeno e a vida autodestrutiva continua sem ninguém tomar nenhuma providência; as sociedades se isolam porque não querem se contaminarem com as mazelas do mundo subdesenvolvido e com o tempo ignoram (as pequenas ajudas para nós “pobres coitados” vem de longe e são jogadas como se fôssemos mendingos; somos vistos como o lixo do mundo, desprezíveis e infectos, até lixo hospitalar os outros países já troxeram e jogaram aqui em seus contêiners. O triste é que nós e as vítimas, viramos o jornal velho, esquecido.   

O Zika, Aedes, e outros tantos nomes que existem ou surgirão são responsabilidade social; são a resposta que estamos exagerando e destruindo o ecossistema e a todos nós. A microcefalia não é do vizinho, do outro, daquela família, ela é de todos nós! 

Infelizmente para economia mundial os microencefálicos são seres improdutivos, pra eles são somente números, estatísticas, estão fora da curva; e estes seres vivos e seus familiares dependem dos investimentos destes detentores da economia mundial para encontrarem ajuda, respostas, ou soluções para seus problemas, para sobreviver… As coisas vão além e são muito mais complicadas do que parecem ser.

Nosso país está em crise. Nossa saúde e nosso povo também!

Quitéria Chagas.

———————————–

Segue a entrevista da Revista Sciencemag, acesse o link no final e confira:

-Onde surgiu Zika Virus?

Encontrado ela primeira vez em 1947 e descrito pela primeira vez em um artigo em 1952, Zika tem sido conhecido identificado na África e no Sudeste Asiático, mas até uma década atrás, menos que 15 casos foram descritos na literatura científica. Em 2007, o vírus causou um grande surto em Yap, um grupo de ilhas no Pacífico ocidental que faz parte dos Estados Federados da Micronésia; desde então, ele passou uma grande turnê de outras ilhas do Pacífico de surgir no Brasil, de onde ele começou a espalhar-se rapidamente para outras partes da América do Sul, América Central, México e Caribe.

-Por que ele espalhou tão rápido?

Pode ter ocorrido grandes surtos na África e na Ásia no passado que não terem sido detectados; os cientistas não estavam prestando muita atenção. Mas a epidemia maciça atual foi um evento que poderia acontecer. A América Latina tem um grande número de A. aegypti, também conhecido como o mosquito da febre amarela, um importante vetor para Zika. (O mosquito tigre asiático, A. albopictus, que está aumentando em todo o mundo, acredita-se ser um vector, também.) Além disso, ninguém tinha nas Américas imunidade ao vírus. A viagem torna-se pior, o mosquitos Aedes não voam mais do que algumas centenas de metros durante suas vidas; Zika viaja de cidade em cidade e de país para país, quando as pessoas infectadas entrar em carros, ônibus, trens e aviões.

Esses fatores combinados significa que o vírus tinha a capacidade de se espalhar muito rápido e uma vez que está em alguma região.

-O Zika espalhou para os Estados Unidos e na Europa?

Tanto os Estados Unidos e Europa já haviam “casos importados” -As pessoas que chegaram de um país Zika-afetada como portadores do vírus. Isto era amplamente esperado, dada a dimensão da epidemia na América Latina. A questão-chave é saber se haverá surtos locais e se mosquitos espalham o vírus de pessoa para pessoa. Há definitivamente uma chance; A. albopictus ocorre em vários países do sul da Europa (e pode mover para o norte), enquanto o sul e leste dos Estados Unidos têm populações de ambos A. aegypti e A. albopictus.
Se assim for, os cientistas esperam surtos de menores do que em outros lugares, com base na experiência do passado com doenças transmitidas por mosquitos. Recentes surtos de dengue na Flórida, Texas, Havaí não adoeceram mais do que algumas centenas de pessoas, por exemplo; um surto de uma doença transmitida por um mosquito chamado de chikungunya no norte da Itália, em 2007, que começou quando um homem infectado com o vírus chegou da Índia-terminou depois de 197 casos. Uma razão que os surtos nestes países tendem a ser menores pode ser que as pessoas gastem menos tempo expostos e vivem em casas que são mais difíceis para os mosquitos entrarem; os tamanhos das populações de mosquitos podem desempenhar um papel também.

-Sabemos com certeza que Zika está causando um aumento nos defeitos de nascimento, ocasionando a microencefalia?

Não temos certeza. Há fortes evidências circunstanciais de que áreas no Brasil duramente atingida pela Zika têm experimentado um aumento acentuado no número de bebês nascidos com microcefalia, uma condição na qual a cabeça é muito menor do que o normal, porque o cérebro não se desenvolve adequadamente. Mas vai demorar pelo menos vários meses antes que os resultados dos primeiros estudos de mulheres grávidas infectadas com Zika caso-controle estejam disponíveis. Médicos no Brasil, onde ocorreram os primeiros aumentos nos casos de microcefalia durante a ultra-sons de mulheres grávidas em Junho e Julho, poucos meses após o súbito aumento em infecções Zika. O especialista em Medicina Fetal Manoel Sarno, que trabalha na Universidade Federal da Bahia, diz que o padrão de dano cerebral que está vendo agora parece distinta de microcefalia causada por outras infecções, como o citomegalovírus (CMV) ou rubéola. Ele e seus colegas começaram um estudo em agosto que está a seguir as mulheres infectadas com Zika durante a gravidez; os resultados poderiam sair final do verão. Estudos semelhantes estão em andamento em outros lugares no Brasil e na Colômbia.

-Existem outras questões urgentes que os cientistas estão com dificuldade?

Os cientistas têm dificuldade em determinar quem foi infectado e quem não foi, porque os testes de diagnóstico têm limitações. Os testes mais precisos-que detectam o RNA viral no sangue de um paciente somente trabalha dentro de uma semana dos primeiros sintomas aparecerem. Após esse tempo, os investigadores podem testar para anticorpos no sangue. Mas os testes atuais para anticorpos Zika reação cruzada com anticorpos para dengue, que é tão difundido no Brasil e em grande parte do resto da América Latina, que quase todos os adultos têm anticorpos contra ele. Isso faz com que seja difícil dizer se a mãe de um bebê nascido com microcefalia estava infectado com Zika mais cedo ou em sua gravidez.
Os pesquisadores também gostariam de saber quantas vezes o Zika é transmitido através do contato sexual. Um cientista EUA que pegou o vírus na África passou para sua esposa depois que ele chegou em casa em 2008; e um segundo caso de suspeita de transmissão sexual aconteceu na Polinésia Francesa, em 2013. Mas os investigadores não têm idéia do que é o risco. (“Se eu fosse um homem e eu tenho sintomas Zika, eu esperaria um par de meses antes de ter relações sexuais desprotegidas”, virologista Scott Weaver, da Universidade do Texas Medical Branch em Galveston disse recentemente ao The New York Times.)

-Quais são as drogas disponíveis contra Zika?

Nenhuma. Até o ano passado, Zika era tão raro, e acreditava ser tão leve, que ninguém se preocupou em olhar para as drogas, realizar experimentos científicos. Mesmo agora que o vírus está em alta, não é óbvio que há um grande mercado para um medicamento antiviral, porque a grande maioria das pessoas infectadas têm muito poucos sintomas ou nenhum. E não é claro que uma droga pode prevenir defeitos de nascença, quando as mulheres contraem Zika durante a gravidez; no momento em que se infectar e desenvolver os sintomas, pode ser tarde demais para evitar tais danos, se realmente for comprovada a relação Zika e microcefalia. A vacina contra a Zika pode oferecer mais esperança de prevenir microcefalia, caso seja comprovada a relação.

-E quando podemos esperar uma vacina?

Isso vai levar anos. Vários grupos começaram a fazer vacinas candidatas contra Zika, um processo que vai demorar pelo menos vários meses. A maioria destas abordagens de vacina são verticalização em vacinas existentes. Por exemplo, muitas vacinas são feitas por meio de costura proteínas de superfície de um agente patogénico para um vírus ou vector inofensivo; que agora está sendo testado com Zika usando esses mesmos vetores. Uma vez que um candidato vacina é feita, ela terá de ser testada em animais antes de ensaios humanos; começandocom estudos pequenos de segurança, em seguida, passar para maiores estudos que testam se o produto funciona em humanos. Tudo isso leva normalmente 10 a 15 meses. Dada a urgência, o cronograma pode ser comprimido, mas, mesmo assim, Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional EUA de Alergia e Doenças Infecciosas, disse STAT que pode ser pelo menos 5 a 7 anos antes que uma vacina Zika está comercialmente disponível.

-Então o que podemos fazer para parar a propagação do vírus?

Os países e as comunidades podem tentar reduzir as populações de mosquitos, removendo os pequenos reservatórios, tais como água em vasos de flores, garrafas vazias, e nos pneus…em lugares onde os mosquitos Aedes gostam de se reproduzir. As pessoas também podem reduzir sua exposição, especialmente importante para as mulheres que estão ou possam vir a engravidar, colocando telas nas janelas e usar repelente de insetos. No entanto, a história tem mostrado que o impacto do controle do mosquito sobre epidemias é modesto na melhor das hipóteses, e eles são difíceis de sustentar.

-Existem melhores maneiras de controlar os mosquitos?

Ainda não, mas estão sendo estudadas. A biotecnologia britânica chamada Oxitec-que foi comprado recentemente por Intrexon EUA, empresa de biologia sintética que desenvolve mosquitos A. aegypti contendo uma construção de genes que vai matar sua prole antes que eles atinjam a idade adulta. Quando um enorme número de indivíduos do sexo masculino desta estirpe são liberados na natureza, eles vão acasalar com as fêmeas locais.
Em outra linha de pesquisa, os cientistas estão a infectar A. aegypti com uma bactéria chamada Wolbachia, o que reduz a capacidade dos mosquitos de transmitir doenças. Os pesquisadores que desenvolveram estas abordagens foram principalmente pensando sobre a dengue, mas o aumento de Zika está dando as suas tentativas de um novo sentido de urgência. Novamente, levaram vários anos antes que essas estratégias façam efeito.

Fonte: http://www.sciencemag.org/news/2016/01/zika-virus-your-questions-answered
———————————–

PALESTRAS ONLINE GRÁTIS – CIÊNCIA DO INÍCIO DA VIDA.

PALESTRAS ONLINE GRÁTIS – CIÊNCIA DO INÍCIO DA VIDA – MATERNIDADE E PATERNIDADE CONSCIENTES C/BASES CIENTÍFICAS: Março de 2016. 

Inscrições: http://vivalem.com.br/cinciv/?bv=6100689809833984  
IMG_1250-0

Vc descobrirá o que é a Ciência do Início da Vida e como ela pode revolucionar a educação e a saúde do planeta!

Conhecerá Técnicas que irão Resgatar a sua Criança Interior e Torná-lo Uma Pessoa mais Consciente e Preparada Para Ter Um Filho.

Aprender sobre a importância da preparação do casal para a gestação e o que é possível ensinar na infância, para criar um filho saudável e feliz!

Aprender a criar as melhores condições e um ambiente enriquecido, para receber o seu filho. Palestra c/médicos, cientistas, psicólogos… RECOMENDO MUITO!!

Evento criado pela cientista, médica e psiquiatra Eleanor Luzes.

Cada 2 anos de amamentação reduzem risco de doenças e aumenta QI, diz estudo.

 

“O leite materno é uma substância viva, impossível de ser imitado pelo leite em pó”
 
Por Lígia Formenti, do Estadão Conteúdo.

São Paulo – A velha ideia de que aleitamento materno traria efeito protetor apenas para crianças de famílias de classe econômica menos privilegiada foi sepultada de vez por uma série de estudos sobre o tema, coordenada pelo professor da Universidade Federal de Pelotas Cesar Victora e publicada na revista Lancet.
O trabalho, o maior já realizado sobre o tema e que teve como base a revisão de 1.300 estudos, demonstra que amamentar salva vidas de crianças, mulheres de todas as faixas sociais, e, de quebra, ajuda a economia de países, qualquer que seja o nível de desenvolvimento. 

“O efeito protetor não se dá apenas na primeira fase da vida. O aleitamento materno tem uma ação importante para a inteligência das crianças, previne a obesidade, sem falar no impacto positivo na saúde das mães”, conta o coordenador do trabalho.

Dados reunidos de 153 países mostram, por exemplo, que mulheres que amamentam por períodos mais longos têm redução de 30% no risco de desenvolver câncer de ovário. Os efeitos protetores para câncer de mama também impressionam: cada dois anos de amamentação podem reduzir o risco da forma invasiva da doença em 6%. 
Pelas contas dos pesquisadores, o aumento das taxas de aleitamento pode evitar por ano 800 mil mortes de crianças e de cerca de 20 mil mulheres.

“O leite materno é uma substância viva, impossível de ser imitado pelo leite em pó”, assegura Victora. Os estudos indicam que o leite produzido pela mãe vai se adaptando às necessidades da criança, ao longo do tempo. “Ele é uma espécie de medicamento feito sob medida: com nutrientes, com elementos protetores contra infecções, para flora intestinal do bebê. Quando o bebê é prematuro, o leite produzido pela mãe tem uma composição específica, totalmente diferente, por exemplo, do que é produzido meses mais tarde”, completa.

O impacto positivo da amamentação sobre a inteligência do bebê já havia sido demonstrada por uma pesquisa anterior, também coordenada por Victora e pela equipe da Universidade Federal de Pelotas. Os dados mostram que crianças alimentadas com leite materno por mais tempo tiveram um aumento médio de 3 pontos no QI – algo que pode melhorar o desempenho escolar e, em consequência, a renda. 

De acordo com um dos trabalhos que compõem a série agora publicada, a ausência da amamentação materna e seus consequentes estragos na capacidade cognitiva podem provocar perdas para economia calculadas em US$ 302 bilhões anuais, o equivalente a 0,49% do rendimento bruto mundial. Um das conclusões do trabalho é que para alcançar esses ganhos, há necessidade de se reforçar políticas que garantam o aleitamento materno.

A meta proposta é que todas as crianças sejam amamentadas exclusivamente por leite materno até seis meses. Embora o compromisso tenha sido firmado na década de 90, ele está longe de ser alcançado. 

Autores do trabalho reforçam a necessidade de se colocar em prática uma série de ações: disseminar informações sobre benefícios do aleitamento, desenvolver ações que incentivem a prática, como ampliação do período de licenças maternidade, a criação de salas de aleitamento em ambientes de trabalho e a previsão de pausas durante a jornada, para que criança possa ser amamentada, regular a indústria de alimentos substitutos ao leite materno, restringindo a propaganda e a distribuição, por exemplo, de amostras gratuitas.

O Brasil é citado como exemplo no relatório em razão das práticas adotadas. São elogiados o sistema de banco de leite materno e a ampliação da prática de alojamento conjunto, que permite à mãe ficar próxima do bebê, o que facilita o aleitamento. As consequências dessas políticas ficam claras nas estatísticas. No período entre 1974 e 1975, uma criança brasileira recebia leite materno por um período médio entre dois e cinco meses. Entre 2006 e 2007, essa marca havia saltado para 14 meses. Entre 1996 e 2006, a média de crianças que recebiam leite materno por pelo menos um ano havia crescido 15%.

Embora avanços tenham sido muito significativos, Victora afirma ser necessário ampliar essa marca e, sobretudo, evitar que ocorra no Brasil problemas como registrados em outros países. 

O estudo indica haver uma tendência de que, com aumento da renda familiar haja uma migração do aleitamento materno para substitutos. Victora considera essencial, por exemplo, a realização de campanhas que incentivem a amamentação. “A regularidade dessas iniciativas foi bastante reduzida. O ideal é que elas sejam retomadas”, completou.
Victora afirma também ser essencial movimentos que garantam o aleitamento e evitem constrangimento, quando isso é realizado em espaços públicos. “A aprovação de regras, a exemplo de São Paulo, que garantem a amamentação é um ótimo instrumento”, completou.

Fonte: Exame.Com http://exame2.com.br/mobile/tecnologia/noticias/amamentar-salva-bebe-e-mae-de-todas-as-rendas-diz-estudo

NUTRIÇÃO MATERNA – A GRAVIDADE DOS AGROTÓXICOS.

  
Histórico: Os agrotóxicos começaram a ser usados em escala mundial após a 1ª Grande Guerra. Vários serviram de arma química nas guerras da Coréia e do Vietnã, como o Agente Laranja, desfolhante que dizimou milhares de soldados e civis. Entrou no Brasil na década de 20.
 O Brasil é um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo. Gasta, anualmente, cerca de 2,5 bilhões de dólares nessas compras. Infelizmente, pouco se faz para controlar os impactos sobre a saúde dos que produzem e dos que consomem os alimentos impregnados por essas substâncias. No Brasil, hoje, estima-se que morrem 5.000 trabalhadores/ano, vítimas de agrotóxicos. (2004). 

Tanto os agrotóxicos utilizados para preservar a lavoura das pragas, quanto hormônios como o pseudoestrogênio – empregado nas criações com intenção de aumentar a maciez da carne – comprovadamente diminuem a produção de espermatozóides no homem. Há riscos de contaminação na ingestão de frutas, legumes e vegetais com agrotóxicos, bem como as carnes com alta concentração de hormônios femininos.

 Já os perigosos fungicidas – Maneb, Zineb e Dithane -, embora proibidos em vários países, são muito usados, no Brasil, em culturas de tomate e pimentão. O Dithane pode causar mutação e malformações no feto.

 O Gramoxone (mata-mato), é proibido em diversos países. No Brasil, é largamente usado no combate a ervas daninhas. Pode intoxicar crianças.

 Vários estudos feitos com trabalhadores demonstraram que há relação entre a exposição crônica a agrotóxicos e doenças, principalmente do sistema nervoso (central e periférico). 

 Em Lucas do Rio Verde, município situado a 350 km de Cuiabá, foram coletadas amostras de leite de 62 mulheres atendidas pelo programa de saúde da família. A coleta foi feita entre a 3ª e a 8ª semana após o parto. Em 100% das amostras foi encontrado ao menos um tipo de agrotóxico. Em 85% dos casos foram encontrados entre 2 e 6 tipos. Entre as variáveis estudadas, ter tido aborto foi uma variável que se manteve associada à presença de três agrotóxicos.

 A substância com maior incidência é conhecida como DDE, um derivado de outro agrotóxico, o DDT, proibido pelo Governo Federal em 1998 por provocar infertilidade no homem e abortos espontâneos nas mulheres. (por Danielly Palma, mestranda do Prof. Wandeley Pignati.

 O DDT (inseticida organoclorado) foi banido em vários países, a partir da década de 70, quando estudos revelaram que os resíduos clorados persistiam ao longo de toda a cadeia alimentar. Estudos demonstraram que só são expelidos pelo leite materno, não saindo do organismo masculino.

Seria ideal alimentos orgânicos que são isentos de agrotóxicos; encontrados em alguns supermercados, mas o custo é ainda muito alto pata maior parte da população. 

Resta uma mobilização maior da população para exigir que os governantes proíbam estes agrotóxicos e todos os outros; por interesses “ocultos” as autoridades nunca aprovam as leis para proíbirem agrotóxicos no Brasil. 

INFORMAÇÕES: GREENPEACE.

VÍDEO- Uma Saudável Introdução Alimentar.

Como é uma saudável introdução alimentar: é permitir a liberdade do bebê de viver a experiência alimentar, se lambuzar, se sujar, se divertir..
Aqui em casa, minha filha Elena vivência todo processo desde ir na feira orgânica escolher cada alimento, acompanha a lavagem, corte, cozedura…
Alguns alimentos dou inteiro como a banana, outros ela só gosta amassado, outros mais processados…nem todo método funciona para sua filha, cada bebê responde de forma diferente; no convívio e observação deve ser respeitado a subjetividade e individualidade de cada bebê.

Os problemas alimentares originam desde o nascimento; por isso é fundamental no ato do nascimento o contato pele a pele mãe-bebê, permitindo que seu bebê exerça seu instinto de procurar seu seio no ato de nascer e amamentação livre demanda 24h por dia sem bicos artificiais (sem chupetas e mamadeiras que provocam desmame…), sem bombas artificiais (permita que o próprio bebê ordenhe, eles sabem fazer é uma atitude inata e instintiva, cada bebê tem seu tempo de no ato de sugar ele mesmo se adaptam e aprende na sua prática)…é um processo que requer muita paciência, dedicação e disponibilidade da mãe e apoio familiar.

Um aleitamento materno mesmo com problemas iniciais, ocorrendo ajustes em acordo com a dupla mãe-bebê, a vontade do aleitamento, o amor…
Tudo isso facilita em uma fácil introdução alimentar, evita distúrbios alimentares e psicológicos.
Cuidar 24h da minha filha, participação do marido, e por opção sem babá, sem creche e cuidadores… exercendo e criando vínculo, na parceria parental é maravilhoso; mesmo com muito trabalho, requer além do amor, disponibilidade, compreender a importância disso, paciência…

Nas 3 vezes ao dia em suas refeições aqui em casa é assim…essa lambança gostosa.
Elena come de tudo, bate pratão, faço tudo na hora e orgânico, somente legumes, vegetais, leguminosas, cereais, frutas no vapor, sem sal, sem açúcar, revezando no final da comida azeite puro orgânico ou óleo de linhaça orgânico; as vezes temperos naturais como orégano, alecrim, alho poró…

Depois da lambança nos divertimos no banho…após o banho soninho bate em Elena, carinhosamente ela pede o seio se debruça com a cabeça e me olha com o pedido, dou o peitinho e dorme sobre mim sempre após a comida.

Apesar dela comer muito, o peito quando solicitado pelo bebê nunca deve ser negado, ela está na fase de dependência absoluta materna, entrando na dependência relativa; mesmo assim em vários momentos ela já negou o seio, empurra o prato quando não quer comer, me empurra quando quer ir para o chão brincar….já demonstra autonomia.
Aquela frase do senso comum que bebê muito apegado a mãe não tem autonomia é uma ignorância social de quem desconhece de psicologia infantil e da ciência do início da vida.

Valeu a pena me dedicar 100%, não sair de casa pra amamentar quase de 10 em 10 mim, deixá-la horas no meu peito até ela decidir rejeitar meu seio, imóvel ficava para não acordar seu sono, quase não me alimentei; no início não dava tempo nem de tomar banho, ir no banheiro na sua fase primitiva de exterogestação….para muitos isso é loucura, sacrifício….mas para mim isso é cumplicidade, compreender a importância dessa fase para construção psíquica e fisiológica…isso é amor, deixar de cuidar um pouco de si para “o outro” que é sua filha, seu amor materializado, vivo!

Na contemporaneidade com a criação social da mulher produtiva dizem que isso é você deixar de ser produtiva pra viver de filho…pelo contrário é produzir vínculo e amor com filho na parceria parental.
Agora, hoje ela faz 7 meses e o presente é que uma permite que a outra se cuide, e cuidamos juntas…ela fica com o pai, vou pra academia, faço minhas coisas e quando chego em casa ela pula de alegria naquele sorriso…me espera, não chora quando saio ou quando volto porq a satisfiz e satisfaço em todas necessidades, ela confia nos pais. ❤️

Por isso lutei para que a sociedade não atropelasse este momento com a insana licença maternidade e conquistei o direito de ficar em casa estudando e ter minhas provas aplicadas em domicílio até amamenta-la livre demanda por 6 meses como recomenda a Organização Mundial de Saúde no mínimo, porém a amamentação livre demanda continua até quando ela decidir parar; a própria OMS recomenda amamentar até 2 anos ou mais.

Lutei na justiça, venci, Eu e Elena vencemos,e lutaria com qualquer um… Lutem sempre e se dediquem vale a pena!

Super contra a insana licença maternidade que é desumana no Brasil; enquanto alguns países desenvolvidos da Europa com baixa criminalidade e poder econômico possuem licença de 1 ano, respeitam o início da vida, a educação e a construção de um ser humano necessita de vínculo e afeto.